ArquiteturaEntrevistas

Há 20 anos, o olhar feminino que transforma sonhos em projetos arquitetônicos

98views

O escritório A3 Arquitetas é formado por cinco mulheres. Fundado pelas arquitetas Caroline Maffini, Cristina Santin e Priscila Kohlrausch, amigas desde a época do Colégio Marista Santa Maria, em 2004 decidiram fundar a empresa.

“O nosso objetivo sempre foi oferecer uma arquitetura contemporânea acessível ao uso, que pudesse inspirar criativamente as pessoas, melhorar sua qualidade de vida e interagir positivamente com a cidade onde está inserida”, relatam.

Em 2016, as arquitetas Caroline Moraes e Isadora Soldera entraram para o escritório como estagiárias. O trabalho em equipe e a sintonia entre as cinco foi crescendo. Em 2018, a Carol Moraes e a Isa se graduaram pela Universidade Franciscana (UFN) e ingressaram para a sociedade trazendo novos olhares, com o objetivo de renovação e transformação do escritório fazendo um contraponto aos olhares mais experientes. E esse ano essas cinco “gurias” completam duas décadas “inteiras” fazendo da arquitetura o seu agora, o seu presente.

Já que estamos no mês em que é comemorado o dia das mulheres, foi uma escolha ter um escritório de arquitetura formado só por mulheres?

Essa é uma pergunta que escutamos com frequência. E não foi uma escolha ou algo planejado, foi algo que aconteceu espontaneamente. Fomos nos encontrando, nos reconhecendo como profissionais e fortalecendo os vínculos. Somos cinco indivíduos diferentes, mas que se completam, que se somam na busca de uma arquitetura personalizada e com conceito, baseada num atendimento contínuo e flexível.

Como já falado acima, agora em 2024 vocês completam 20 anos de atuação. Durante essas duas décadas, quais os maiores desafios que enfrentam e quais fatos marcaram essa trajetória?

Os desafios são diários. Um deles, sem dúvida, é empreender pois é preciso estar sempre em evolução, em movimento, se reinventando para poder se destacar num meio bastante concorrido. E tem dois desafios que foram fundamentais para o crescimento do escritório. O primeiro, a decisão de aumentar a sociedade. Encontrar e trazer para dentro mais pessoas era algo necessário e que ao mesmo tempo nos preocupava. Hoje, olhando para trás, foi uma decisão muito acertada, o escritório mudou para muito melhor. O segundo foi quando decidimos fazer o reposicionamento do escritório, buscando um foco especial em projetos de arquitetura residencial. Era necessário dizer não para alguns trabalhos, isso nos trazia uma certa insegurança, mas foi preciso, e hoje já conseguimos perceber os frutos dessa escolha.

E um fato que nos deixou cheias de orgulho e que marcou a nossa história aconteceu em 2020, quando fomos escolhidas para receber o prêmio do SINDUSCON Santa Maria como PRESTADORA DE SERVIÇOS DO ANO. Para nós, ter recebido esse prêmio foi um reconhecimento por todos os anos de dedicação, por toda nossa alegria em ter dado formas a tantos sonhos e por nossa consciência em fazer uma arquitetura única que atenda aos indivíduos e a sociedade.

Vocês comentaram que um dos desafios foi a decisão de reposicionar o escritório, qual é o foco hoje em dia?

Quando resolvemos aumentar a sociedade, já era uma intenção criar um foco de trabalho para o escritório, mas para funcionar era necessário somar forças. Decidimos focar em projetos de arquitetura completa na área residencial pois eram os projetos que além de trazer resultados comerciais, eram os que mais nos deixavam realizadas como profissionais. Hoje fazemos projetos, tanto para pessoas que buscam realizar o sonho de ter a sua casa, como para construtoras e incorporadoras que buscam construir edifícios diferenciados com soluções que iniciam nos estudos e plantas de layout e vão até a finalização nos últimos detalhes das áreas de uso comum. Nessa mesma área incluímos os projetos de arquitetura de interiores, como a personalização de apartamentos ou casas, que podem acontecer durante a fase de construção, ou mesmo depois de construídos. Em paralelo, ainda seguimos trabalhando com alguns projetos na área da saúde, como clínicas e consultórios, e também em projetos corporativos e institucionais.

Como vocês lidam com assuntos que fazem parte da rotina de um escritório e que não envolvem a arquitetura?

Como somos cinco arquitetas e durante a graduação não nos preparam para atuar também como gestores, o trabalho de iniciar a gestão de um escritório não foi e não é fácil. Lidar com marketing, gestão de pessoas e com o setor financeiro foi algo que fomos aprendendo ao longo dos anos. Hoje trabalhamos organizadas por setores, cada uma é responsável e cuida de um desses setores. Além disso, temos alguns profissionais que contratamos e nos auxiliam nessa parte. O trabalho de gerir um escritório de arquitetura é algo que estamos sempre em busca de aprendizado, aperfeiçoamento e soluções que facilitem o nosso dia a dia e também tragam benefícios no atendimento aos nossos clientes.

Em 2023 vocês mudaram para uma sede própria, nos contem como foi a trajetória até chegar nessa conquista?

Sempre fomos muito pé no chão, iniciamos numa sala com dimensões reduzidas, com alguns móveis comprados num brique e alguns herdados, o investimento financeiro foi pequeno, mas a vontade de trabalhar e crescer era gigante! Aos poucos o espaço não atendia mais as nossas necessidades e então mudamos para um espaço maior, com um mobiliário melhor, algo mais condizente com a nossa profissão. Mas mesmo assim aquele espaço não nos representava e o desejo de ter a nossa sede não parava de crescer. Quando sentimos que estávamos estabelecidas no mercado, demos o primeiro passo e compramos uma casa para então projetar e construir nossa sonhada sede. Isso ficou latente por alguns anos, mas em 2022 fizemos a obra e em 2023 começamos a trabalhar no novo endereço. Enfim, temos um espaço que traduz o conceito de arquitetura proposto nos nossos projetos. Bem estar sentido através do espaço construído com ambientes amplos, integração entre interior e exterior e valorização da iluminação e ventilação natural.

Por fim, nos falem um pouco de como é o dia a dia do escritório e como é o relacionamento com os clientes?

O dia a dia é bem variado, tem dias que precisamos nos dedicar nas soluções de pendências, outros fazemos assessoramento nas obras, temos reuniões, acompanhamos clientes em lojas, nos reunimos com parceiros e fornecedores. E tem outros mais introspectivos, onde criamos os projetos e nos reunimos, as cinco arquitetas, para fazer as reuniões de brainstorm. Internamente, sempre trabalhamos em equipe, acreditamos que juntas pensamos melhor e dessa forma conseguimos dar valor e significado na criação e desenvolvimento dos projetos. O atendimento e relacionamento com o nosso cliente é o ponto principal do nosso trabalho. Não estamos simplesmente vendendo projetos, estamos trabalhando para que cada um tenha uma experiência única com a arquitetura. Tratamos a arquitetura com muita seriedade, responsabilidade e transparência. Em todos os nossos projetos, temos a preocupação e centramos nosso propósito no profundo entendimento das necessidades e potencialidades dos nossos clientes para desenvolver uma arquitetura afinada com a vida das pessoas e que também contribua positivamente com a cidade. Nós acreditamos que a verdadeira realização do arquiteto só vem com a satisfação dos clientes, com projetos reais que transformam a vida das pessoas.

Deixar uma resposta