Artigo de opiniãoSaúde e Bem-estar

Atividade física e hipertensão: O que é conhecido e o que há de novo em todas as idades?

11views

A prevenção e manejo da hipertensão recomendam exercício/atividade física ao longo da vida, incluindo a infância e a adolescência, devido aos seus efeitos anti-hipertensivos demonstrados e também aos seus efeitos favoráveis sobre outros fatores de risco modificáveis de doença cardiovascular. O que sabemos é que a prática regular de atividade física leva à melhora da aptidão cardiorrespiratória e do hábito corporal, bem como medidas mais favoráveis de saúde cardiometabólica e redução da inflamação, diminuindo o risco de desenvolver hipertensão e Infarto e AVC.

Evidências sugerem cada vez mais que as intervenções de treinamento físico podem fornecer reduções equivalentes na pressão arterial às da medicação anti-hipertensiva. Quando o exercício é combinado com a farmacoterapia, a magnitude da redução da pressão é maior do que com a medicação isolada. Intervenções de treinamento de resistência aeróbica e dinâmica reduzem a PA ambulatorial de consultório e diurna, com reduções maiores ocorrendo naqueles com hipertensão estabelecida (reduções de PA de consultório de até 8,3/5,2 mmHg).

Exercício de intensidade moderada a alta é considerado seguro e atualmente recomendado para o controle da hipertensão. Adicionando um aspecto de eficiência de tempo, dados emergentes indicam que o treinamento intervalado de alta intensidade (uma forma de treinamento físico, que consiste em exercícios repetidos, curtos e intensos), adequadamente prescritos e supervisionados, pode fornecer reduções de PA comparáveis às do treinamento físico de intensidade moderada. Atividade física de intensidade modesta, como caminhar, terá um efeito de redução da PA assim como o treinamento de resistência isométrica do membro superior ou inferior

Recomendação:

  1. Todos os indivíduos devem ser incentivados a serem fisicamente ativos para a prevenção ou tratamento da hipertensão e DCV.
  2. A ênfase deve ser colocada na intervenção precoce (desde a infância) e nos programas de educação em saúde para sustentar a atividade física ao longo da vida.
  3. Tanto o exercício de resistência aeróbico quanto o dinâmico ou suas combinações podem ser usados na prevenção e tratamento da hipertensão e DCV.
  4. Os adultos devem praticar 150-300 minutos de intensidade moderada ou 75-150 minutos de exercícios vigorosos, ou uma combinação equivalente, semanalmente.
  5. O tipo de atividade/exercício escolhido deve ser adaptado individualmente, considerar a condição física inicial, comorbidades, tratamento farmacológico, contexto situacional e ser de natureza progressiva (ou seja, começar devagar e aumentar gradualmente a quantidade/intensidade da atividade).
  6. A ênfase deve estar na redução do tempo sedentário diário e no aumento do movimento sempre que possível.
  7. Qualquer tipo, quantidade e intensidade de exercício/atividade regular será benéfico com recomendações mínimas para manutenção da saúde e prevenção de DCV.

Embora o exercício seja geralmente considerado muito seguro para aqueles com pressão arterial elevada, os praticantes de exercícios pela primeira vez ou aqueles com histórico médico complexo ou doença crônica devem ser incentivados a buscar orientação e aprovação para se exercitar de um médico.

Técnicas de mudança comportamental e estímulos – Gamificação – que incluem definição de metas, monitoramento e feedback podem aumentar a adesão à atividade física, a sustentabilidade e a eficácia da intervenção. A tecnologia está aí, que possamos usar para estímulos saudáveis!

Recomendações de atividade física em adultos (18-64 anos)

Os adultos devem procurar ser ativos na maioria dos dias, de preferência todos os dias da semana. Isto deve incluir:

  • 150-300 minutos de atividade física por semana realizada em intensidade moderada, ou
  • 75-150 minutos de atividade física por semana realizada em intensidade vigorosa, ou
  • Uma combinação equivalente de atividades físicas moderadas e vigorosas.
  • Incluir exercícios de resistência (fortalecimento muscular) em pelo menos dois dias não consecutivos por semana, e
  • Aumentar a atividade física incidental.

Dr. Diego Roumow
CRM 29571 RS – RQE 24651
Médico Cardiologista

Deixar uma resposta