Sem categoria

Longevidade Plena

92views

Você sabia que até 2050, no Brasil, haverá duas pessoas com mais de 65 anos para cada criança ou adolescente? É o que aponta a Organização Mundial da Saúde, fato que representa um acontecimento histórico de que seremos 2 bilhões de pessoas nessa faixa etária.

No período entre 2010 e 2021, o índice que mede o envelhecimento da população do Rio Grande do Sul também apresentou crescimento, de 74%. Para 2060, a estimativa é de que para cada 100 gaúchos com menos de 15 anos exista 207 habitantes com 65 anos ou mais, segundo dados do estudo “População Idosa do RS – 2010-2021”, produzido pelo Departamento de Economia e Estatística.

Em Santa Maria, segundo informações do Conselho Municipal do Idoso, a população 60+ atualmente é de 55 mil pessoas. O município conta com três Instituições filantrópicas: Abrigo Oscar Pithan, Lar das Vovozinhas e Lar Vila Itagiba. Na rede privada são 17 casas de repouso em funcionamento. 

E será que estamos preparados para o envelhecimento da população? 

Os dados estatísticos apontam que a humanidade evoluiu em relação à longevidade. A cada ano, os números crescem e atentar para a qualidade do envelhecimento é papel fundamental para que os brasileiros cheguem bem ao grupo 60+.

Para que os idosos tenham qualidade vida hoje e no futuro é preciso garantir direitos como saúde, trabalho, assistência social, educação, cultura, esporte, habitação e acesso ao transporte. No Brasil, esses direitos são regulamentados pela Política Nacional do Idoso e pelo Estatuto do Idoso.

Os principais desafios estão relacionados ao atendimento à saúde, reforço do convívio social e adoção de hábitos saudáveis. José Francisco Silva Dias, o Juca, Professor Titular aposentado da UFSM, Mestre e Doutor em Educação, ressalta a preocupação com a dignidade no processo de envelhecimento. “Dignidade é a palavra que precisa ser urgentemente transformada em ação. Coloco neste mesmo patamar as perdas de vagas de trabalho nas fábricas e no campo, onde um pessoal de 30, 35 anos, a maioria com famílias, perdem seus sustentos para as máquinas – que são maravilhosas – no entanto, quem as inventa não coloca nenhuma perspectiva de trabalho como substituto ao perdido, não lhes dá treinamento para outra atividade e nem uma perspectiva para o futuro”.

Para que os idosos tenham uma verdadeira melhor idade, Santa Maria possui vários projetos em cursos superiores. A UFSM tem hoje Curso de Cuidadores de Idosos, Mestrado em Gerontologia e organiza agora um Bacharelado em Gerontologia. Outras Instituições de Ensino Superior da cidade possuem projetos de apoio a idosos, bem como cursos de formação. “Santa Maria possui seu primeiro Centro Dia para Idosos, sendo este particular e pretende criar seu Centro Dia Para Idosos Carentes, resultado de um evento promovido pela OAB de Santa Maria, junto com várias entidades da cidade e que está motivando a todos para juntos realizarmos este sonho”, destaca Juca.

Envelhecer é inevitável, mas isso não significa que não possamos fazê-lo com alegria, dignidade e prazer. Os ciclos da vida não mudaram, ou seja, nascemos para aos poucos envelhecermos e morrermos. É um processo que dura a vida toda e não significa somente perdas, mas também amadurecimento.

Projeto Corpo Mais, Dança Mais

Atividades de Ginástica e Dança

Coordenador: Prof. Gustavo Duarte

Público 40+ a 60+

Todas as quintas-feiras das 15h30min às 17h

Complexo Didático Artístico – localizado ao lado do Centro de Educação Física e Desportos, no campus da UFSM

 

Junho Violeta

O mês de junho, conhecido também como Junho Violeta, é uma campanha realizada anualmente em todo o mundo. O mês foi escolhido em alusão ao Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, conforme declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e a Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa em 2006.

Em Santa Maria, segundo a delegada Débora Aparecida Dias, responsável pela Delegacia de Proteção ao Idoso, as ocorrências contra idosos já chegam a 726 em 2023. Os casos são, na maioria das vezes, dano ao patrimônio e estelionato. As pessoas idosas são alvo preferencial de golpes, principalmente violência patrimonial e exploração financeira pelos filhos ou netos.

A Delegacia de Proteção ao Idoso recebe denúncias através de vários canais, também de forma anônima, e todos os casos são verificados e encaminhados ao Ministério Público ou Assistência Social, conforme a gravidade. Entre os dados fornecidos pela Delegacia, o que chama mais atenção é que os principais agressores são os próprios familiares.

Denúncias podem ser realizadas pelo disque 100, pelo 197 da Polícia Civil e na Delegacia de Proteção ao Idoso, Rua General Neto, 581, telefone (55) 3222-7894.

Deixar uma resposta