EmpreendedorismoEntrevistas

Coragem para empreender e inovar

36views

Diego Calegari Dias, Administrador de Empresas, é um apaixonado por desafios! Uma das suas marcas registradas é a coragem e a ousadia de enfrentar novos caminhos e conta com exclusividade para a Interativa um pouco de sua trajetória profissional e pessoal.

Ainda acadêmico da primeira turma de Administração da UFN, começou a namorar Michele Rossato que morava em Canoas e trabalhava no segmento de varejo da empresa familiar: “Antes de me formar recebi a surpresa de que seria pai e para mim foi uma grande alegria. Mas esta alegria foi interrompida pela angustia de saber que nosso filho teria uma má-formação, neste momento teríamos três caminhos: o de interromper a gestação; o de seguir adiante e ele sobreviver e de seguir adiante e ele não sobreviver. Infelizmente ele teve apenas um dia de vida, mas o que nos fortaleceu foi a decisão que tomamos de seguirmos a gestação e jamais desistir de algo que cabe apenas a Deus escolher. Apesar de toda a dor, a segunda grande decisão da minha vida foi convidar a Michele para vir embora para Santa Maria e começar uma nova vida.”

Como começou a primeira empresa?

A nossa primeira empresa foi no ramo do varejo e iniciamos com uma loja de confecções no prédio da Cacism, há 14 anos. Esta primeira loja chamava-se Mais Econômica.

Simultaneamente fui em busca de uma segunda fonte de renda, que foi no ramo de vendas, no setor de representação comercial, onde com muito esforço e resiliência acabei criando uma empresa chamada Calegari Representações. Durante oito anos viajei por toda a Região Sul do país, e ao completar o primeiro ano empreendendo, surgiram as primeiras dificuldades, como falta de conhecimento de pessoas, processos e produtos, e acabamos falindo nosso primeiro negócio, a loja. Logo, peguei um financiamento no banco para quitar fornecedores, depois tive que parcelar o empréstimo para conseguir sobreviver. Daí tirei meu primeiro grande ensinamento: planejar, agir, conferir, agir novamente e entender quem é nosso cliente. Nisto, reestruturamos a loja e comecei a focar ainda mais em vendas e fomos nos aperfeiçoando nos 3 P´s que sustentam uma empresa ou organização: Pessoas, Processos e Produtos.

Daria para dizer que 2012 foi o ano da virada, pois conseguimos comprar nossa casa e oficialmente nos casamos com festa e benção religiosa. Acredito que casais inteligentes enriquecem juntos e temos nossa grande base de alicerce. Meus pais sempre foram batalhadores e me ensinaram os valores como coragem e caráter. Hoje procuro estar presente e passar estes valores para meus filhos Diogo, 10 anos e Enrico, 7 anos.

E como que aconteceu a expansão?

Como estávamos vendendo muito, e eu continuava com a representação comercial conhecendo toda a Região Sul, achei que seria mais lucrativo se, além de representar, começasse a produzir confecções, no entanto cometi o segundo erro: coloquei uma indústria sem entender sobre o mercado local. Novamente o mesmo erro de não estudar suficientemente o mercado, planejar e saber das reais ameaças. Então, tive que fazer novos empréstimos, novos financiamentos para quitar dívidas.

Como representante comercial tinha um sonho de atender grandes redes, porém, em focar num único alvo cada não que eu recebia me frustrava demais até que eu entendi que todo bom vendedor deveria ter múltiplas portas para bater, porque assim, quando uma se fechava apenas trocava a frustração por uma nova oportunidade.

Até que compreendi minha terceira grande lição: não podemos desperdiçar tanta energia em quem não nos dá importância. É preciso abrir novos horizontes. Percebi então, que por trás de empreender, obrigatoriamente deveria estudar e foi com uma dica de um livro de Napoleon Hill que começamos a transformar nossas vidas: una-se a pessoas com o propósito definido. Então fui procurar novos caminhos, novas oportunidades até conhecer novos empresários e, com isso, me deparei com lojas de preço único. Todos os produtos de até dez reais e logo entendi que era um mercado com grande ascensão e um negócio promissor.

Comecei a vender para esta rede que na época possuía 20 lojas. E acompanhei o crescimento até 250 lojas e foi nesse momento que tive meu melhor resultado como vendedor, e bati meu recorde ao  vender 22 milhões de reais em duas horas de atendimento.

Com o conhecimento que adquiri atuando com e no varejo, entendi como funcionava este

mercado e criamos a Multi10, e abrimos 150 lojas no Estado em dois anos, algumas próprias, mas a grande maioria com parceiros em um formato de associação e hoje é uma franquia.

Como vê este mercado de utilidades e de preço único hoje?

O mercado de preço único já foi muito promissor e foi um excelente posicionamento de mercado. Porém, atualmente não se mantém, devido às mudanças econômicas, que tem forte oscilação e impactam nos preços dos produtos. No entanto o segmento é muito bom, pois atende as principais necessidades das pessoas e seus lares, por isso, decidimos reposicionar a marca Multi10 para penetrar no varejo Classe C com mais presença.

Possuímos mais de 3 mil itens catalogados em produtos, é outro aprendizado. O modelo associação era fácil de abrir, mas turbulento para administrar. Os valores das pessoas e a maneira de trabalhar são muito diferentes de cidade para cidade. E evoluímos para o modelo de franchising, para dar mais segurança jurídica, sustentação a longo prazo e mais liberdade para novos negócios.

Hoje, trabalhamos somente com franqueados que representam 40 lojas em todo Estado. Acredito que franquias que tenham sucesso a longo prazo obrigatoriamente necessitam ter uma escola de negócios, uma mentoria, um suporte estratégico para acompanhar e garantir sua sustentabilidade num mercado cada vez mais ágil e competitivo.

“O que deu certo no passado não garante sucesso no presente e tampouco no futuro.”

E como foi a expansão para outros negócios?

Como disse, aprendi a ter sempre mais de uma fonte de renda e a cada empresa que obtivemos sucesso, sendo que parte delas investi em novos negócios. como no mercado imobiliário, educação e esportivo. Através do mercado imobiliário fui moldando uma estrutura de rentabilidade passiva.

Construí uma escola de negócios e fui me apaixonando em transformar a vida das pessoas. Hoje confesso que minha melhor habilidade é enxergar o que ninguém vê. Tirar do papel. Realizar. Fundei o GP$ Empresarial – Grande Programa de Sucesso Empresarial onde já formei duas turmas, além dos cursos on-line, palestras e mentorias individuais. Nosso foco é estratégia, marketing, vendas, mentalidade, equipe e finanças. Os pilares para ter sucesso empresarial. E com o esporte temos a CESLA, onde busco melhorar a qualidade de vida das pessoas. 

De onde vem a inspiração, a motivação em inovar e arriscar sempre e qual o teu legado?

Em estudo. Investi mais de meio milhão em cursos de treinamento pessoal, em autoconhecimento, em neurociência, em neuromarketing, frequentava os espaços de aprendizagem empresarial em Alphavile (SP) e sempre aprendia com os melhores. Sigo sempre os melhores. Sempre me inspiro em grandes nomes de empresários, empreendedores, líderes e pensadores.

Vejo a motivação com três pilares: primeiro eu preciso dar certo, depois eles, e por fim, nós. O que nós deixaremos para a sociedade, que história contar para os filhos e netos.

Minhas mentorias e imersões tem o propósito de transformar a vida das pessoas transformando resultado pessoal e profissional.

E como surgiu a CESLA?

Foi durante a construção de um dos imóveis que para alugar que tivemos a ideia e a visão de fazer algo muito maior e melhor do que apenas mais um imóvel para alugar, e sim um Complexo Esportivo, de Saúde e Lazer para agregar na qualidade de vida das pessoas por meio do esporte e entretenimento

Acredito que a união das pessoas, da educação empreendedora e do esporte e lazer conseguimos ajudar a transformar o mundo. Estamos em ampla expansão e com crescimento de oportunidades de novas parcerias e novos mercados mais desafiadores.

É muito gratificante saber que proporcionamos lazer para toda a família e transformamos Santa Maria na capital nacional do Padel.

O Padel e o Beach Tenis tiveram o maior crescimento esportivo e a maior aceitação na vida das pessoas. O Padel vem crescendo exponencialmente em todo o mundo e com o Brasil não poderia ser diferente, e vem ao encontro com números que observamos em outros países, como Argentina e Espanha, onde já é o segundo esporte mais praticado destes países.

O maior ingrediente para um negócio dar certo é colocar muito amor e dedicação em tudo que fazemos sempre tendo as pessoas como foco principal das organizações.

Deixar uma resposta