Mundo Afora

MUNDO AFORA: Estados Unidos – Alasca

Hubbard Glacier, Alasca
Juneau, capital do Alasca
Vancouver, Canadá
Sitka
Skagway
Skagway
Skagway
Skagway
Passeio sobre as geleiras em Juneau
Passeio sobre as geleiras em Juneau
Mendenhall Glacier
106views

O casal de médicos Norton Gomes e Vania Barin, conhecem cerca de 60 países e viajam desde 1986, quando iniciaram o ‘affair’. Antes disto, já tinham feito algumas viagens internacionais, sendo que a Vania já havia morado dois anos nos Estados Unidos, em Auburn, no Alabama, para fazer sua residência na Universidade de Tuskegee.

O escolhido da vez foi o Alasca, um dos 50 estados dos Estados Unidos e o maior em extensão territorial, maior que o Texas, Califórnia e Montana juntos (respectivamente, o 2º, 3º e o 4º mais extensos). Como país, o Alasca seria o 17° maior do mundo em extensão territorial.

Partindo das premissas de que “A maior aventura do ser humano é viajar” (Augusto Cury) e de que “Em algum lugar alguma coisa incrível está esperando para ser conhecida” (Carl Sagan), decidimos encarar mais um cruzeiro, seguindo a máxima que diz: “Há mares que vem para o bem!”.

Escolhemos o Alasca pela simples curiosidade de conhecer uma região tão longínqua e inóspita e, ao mesmo tempo, tão genuinamente diferente de tantas outras que já conhecemos.

E um cruzeiro neste caso é, sem dúvida, a melhor opção para alcançar lugares onde outros meios de locomoção, quando existentes, não permitiriam.

Assim, nosso cruzeiro (pela Celebrity Cruises), englobando 15 dias, partiu de Vancouver, no oeste canadense, navegou por algumas cidades do Alasca e retornou pela costa americana, atracando em San Francisco e terminando em San Diego, ambas cidades da Califórnia.

Por ser o estado mais oriental dos Estados Unidos, ele é conhecido como “The Last Frontier”. O Alasca faz fronteira apenas com o Canadá, através do território de Yukon e da província de British Columbia, tendo sua maior população nas regiões sul e sudeste do estado. Ele e o Havaí são os dois únicos estados norte-americanos que não fazem parte da área contínua dos Estados Unidos.
O Alasca foi comprado do Império Russo em 1867, por 7,2 milhões de dólares. Grande parte da população norte-americana achava que aquela região não servia para nada, pois só tinha gelo e ursos, o que não era verdade, pois acabaram descobrindo mais tarde que ali havia imensas reservas de recursos naturais. Em 03 de janeiro de 1959, o território do Alasca foi elevado à categoria de Estado, tornando-se o 49º estado americano.

Com seus 3.185 km, o Rio Yukon, um dos mais longos da América do Norte, corta todo o Alasca, que também possui milhares de pequenos lagos, alguns com dezenas de quilômetros de largura.

O Alasca também é conhecido por abrigar milhares de geleiras (ou glaciares), algumas com centenas de metros e outras com dezenas de quilômetros de extensão. Perto de 35% do Alasca são cobertos por florestas, tendo sua maior concentração no sul do Estado.

O Alasca possui o litoral mais extenso do país, com 10.686 km de comprimento, mas contando-se todas as regiões banhadas pelo mar (baías, estuários e ilhas oceânicas) este número salta para 54.563 km.

O Alasca tem ao mesmo tempo um clima tipicamente polar, durante todo o ano, e também climas diferentes que variam em cada região, apresentando invernos longos e frios, com noites muito longas, e verões amenos e curtos, com dias muito longos.

O norte do Estado é o que apresenta as temperaturas mais baixas de todos os Estados Unidos, com uma temperatura média no inverno de -24°C e de 8°C no verão. Temperaturas mínimas podem chegar facilmente aos -50 °C, e as máximas dificilmente superam os 15°C. Já a região central e ocidental possui um clima temperado, com temperaturas menores no inverno e maiores no verão que na região sul, apresentando médias de -22°C no inverno e de 16°C no verão.

Segundo estimativas do United States Census Bureau, a população do Alasca, em 2011, era de 722.718 habitantes. Cerca de 70% dos habitantes nasceram no estado. Existe apenas uma região metropolitana, que é “Anchorage”, a maior cidade do Alasca. Ao redor de dois quintos dos habitantes vivem nesta região. No total, 70% dos habitantes vivem em cidades e os outros 30% vivem em áreas não urbanas.

Os cinco maiores grupos étnicos do Alasca são formados por alemães (16,6%), nativos norte-americanos (15,6%), irlandeses (10,8%), ingleses (9,6%), estado-unidenses (5,7%) e noruegueses (4,2%). O Alasca possui a maior percentagem de nativos norte-americanos entre os estados dos Estados Unidos.

Com relação à religião, o cristianismo predomina, com 81% da população. Porém, o Alasca possui uma considerável comunidade ortodoxa, graças à colonização russa na região. Vários missionários russos converteram muitos nativos à Igreja Ortodoxa.

A cidade mais populosa é Anchorage, com cerca de 275 mil habitantes, sendo a terceira maior cidade do Estados Unidos em área. A maior parte das principais cidades do Alasca localiza-se junto ao litoral oceânico do estado. Outras cidades importantes são Fairbanks e Juneau (a capital), com menos de 100 mil habitantes, e Sitka e Ketchikan, com menos de 10 mil habitantes.

O sistema rodoviário é pouco desenvolvido, cobrindo uma área pequena do Estado. Sua capital “Juneau” não é acessível por estrada, e nenhuma das rodovias do Estado conecta diretamente o Alasca com outros Estados americanos. A “Alasca Highway” é a principal rodovia do Estado, conectando o Alasca com a província de British Columbia, no Canadá.

Uma curiosidade do Alasca é o Túnel Anton Anderson Memorial, que conecta Anchorage com Whittier. Ele possui cerca de 4 km de comprimento e tem uma única faixa, contendo também uma ferrovia. Devido a isto, o tráfego de veículos e de trens precisa ser compartilhado, ocasionando períodos de espera de 20 minutos ou mais.

A Alasca Railroad, conectando Seward e Fairbanks, é uma importante atração turística, em razão das belas paisagens naturais por onde passa, além de movimentar grandes quantidades de carga, principalmente de minérios. Esta é a única ferrovia primária do Alasca, com cerca de 779 km de extensão. Anchorage é o principal centro aeroportuário do Alasca, e a maior linha aérea operando na região é a Alasca Airlines. Diga-se que a maior parte das localidades no Estado só é acessível por mar ou pelo ar.

A educação no Alasca é ditada pelo seu Departamento de Educação, cujo conselho controla diretamente todo sistema de escolas públicas do estado, que é dividido em diferentes distritos escolares. O ensino escolar é obrigatório para todas as crianças e adolescentes com mais de sete anos de idade, até a conclusão do segundo grau ou até os quinze anos de idade. A fuga de jovens bem-sucedidos tem sido um grande problema para o sistema educacional do Alasca, após o término do segundo grau (“high school”). O Estado tem minimizado este problema oferecendo bolsas de estudo para os 10% dos melhores alunos do segundo grau do Estado.

O Alasca é famoso por seus três milhões de lagos, muitos deles formados por águas derretidas de geleiras, que são milhares; por sua grande quantidade de ursos (cada um chega a comer 40 kg de salmão por dia); por mais de 1.500 alces que vivem ao redor de Anchorage; por cerca de 100 dialetos típicos, falados por dezenas de tribos; por ter o pico mais alto dos Estados Unidos, o Denali, com 6.190 metros de altura; pelo grande número de hidroaviões, devido às suas condições geográficas e climáticas, mantendo para tal mais de 700 áreas públicas e privadas disponíveis para pouso; e pela sua proximidade com a Rússia, no Estreito de Bering, a apenas 4,1 km entre uma ilha e outra.

Quanto à comida, não é só de “fast food” que vive o Alasca. São famosos seus “king crabs”, caranguejos gigantescos, verdadeiros símbolos do país. Também é fácil encontrar salmões, bem mais rosados e saborosos, por não serem criados em cativeiro, e “halibuts” recém-pescados e super deliciosos. Sobrevoar as geleiras do Alasca de helicóptero é uma experiência única, assim como conhecer as suas geleiras mais famosas, entre elas a Hubbard Glacier e a Mendenhall Glacier. E deixar de falar sobre a beleza de suas paisagens seria uma heresia, especialmente aquelas que rodeiam as cidadezinhas de Sitka e Skagway.

Foi uma viagem inesquecível!

Deixar uma resposta