Nossa Palavra

Quem são nossos ladrões

188views

Recentemente vimos o depoimento emocionante de uma empresária de Santa Maria que teve sua empresa saqueada. Foram roubados praticamente todo seu estoque de produtos, e mesmo sem mercadorias para vender, não perdeu a força de vontade e a fé de continuar a trabalhar e a gerar empregos e impostos.

Fico me perguntando, quantos ladrões enfrentamos? O ladrão do assalto leva o patrimônio. Mas quando o ladrão vem em forma de funcionário? Aquele que aparenta ser maravilhoso, simpático, mas que rouba informações, tecnologia, contatos, vive de dissimulações, difamações, e ainda muitas vezes, vai para a justiça tentar ganhar a vida com reclamações trabalhistas mentirosas.

E quando o ladrão é o governo que impõe medidas pesadas, novos impostos e tributos, te proíbe de trabalhar, te multa, te prende, exige pagamentos antecipados, exige protocolos arbitrários e não quer saber como e quanto custará para ser executado?

E quando o ladrão vem em forma de alarmes falsos, distorção de informações, manipulação de dados? Qual o nome que damos para aqueles que estão interessados no pânico generalizado em detrimento de aspirações políticas ou ibope? Como chamamos os ladrões de nossa motivação, esperança e de nossa alegria?

Sinceramente está bem difícil ser otimista, tentar ser feliz no meio desta loucura, manter a sanidade mental. Nunca vi tanta gente estupida, com tanto medo da morte, com paranoias, depressão, TOC e que necessitam tratamento psiquiátrico. Outros vírus, bactérias e doenças virão. Como reagiremos com as novas doenças? O papel da mídia e de todos que divulgam em suas redes sociais a tragédia, a desgraça e que enaltecem as empresas falidas, os demitidos, os mortos, e que conscientemente ou não, propagam 24 horas o terror, também são responsáveis pela histeria coletiva.

Precisamos amadurecer enquanto nação e principalmente como seres humanos. Não há como um país evoluir, crescer e desenvolver se a mentalidade coletiva das pessoas for de vitimização. A espera de um salvador, um herói. A voz, força do coletivo só será ouvida quando houver uma cultura compartilhada pelos mesmos valores.

Enquanto as pessoas insistirem em tirar vantagem em tudo, os corruptos continuarão sendo eleitos. Solicitar auxílio desemprego, estando empregado, pedir auxílio emergencial e estar trabalhando, não casar no papel para manter pensão de pai, entre outros, é uma forma de corrupção.

Considerar aceitável e defensável a conduta dos gestores públicos, principalmente em desviar dinheiro, investir em estradas para fazendas de filhos e amigos políticos, superfaturar remédios, respiradores, estádios de futebol, rodovias, portos e refinarias de Cuba, Venezuela e outros países vizinhos, é compactuar com o crime contra a vida. É negar saneamento básico, leitos hospitalares, diagnóstico e saúde para a sua gente. É roubar a qualidade de vida e a dignidade.

Palavras bonitas, discursos maquiados por uma excelente equipe de marketing já convenceu diversos povos. Tivemos presidentes que exaltavam e se vangloriavam que não tinham estudo. Mas pagavam fortunas depositadas na Suíça para as melhores equipes publicitárias do país.  Joseph Goebbels ministro da comunicação do Governo de Adolf Hitler já dizia, uma mentira dita mil vezes torna-se verdade. Foi o precursor do marketing. Ditadores do mundo inteiro sabem do poder da comunicação, e da manipulação de um povo. Quanto mais medroso, mais frágil, mais fácil de dominar.

Tenho me sentido como se estivesse no Antigo Egito, cada vez é uma peste diferente, mas nada comparado a tirania dos faraós sedentos pelo poder e seu ego, usando do exército para impor suas leis e luxos pessoais.

Deixar uma resposta