Nossa Palavra

Nossa Palavra: Especial Casa e Construção

279views

A minha mania irritante de ver o lado positivo das coisas já me rendeu muitas brigas.

Tentar ser feliz no meio do caos é um desafio para os fortes. A grande maioria desiste. Senta e chora.

Os pessimistas adoram anunciar novas tragédias. Novas mortes. Novos desempregos. O pessimista enche a boca e diz, o pior está por vir. Mas quando argumentamos, que estamos conseguindo, ele argumenta, espera, daqui a pouco a coisa vai piorar.

Ando me irritando com a quantidade de pessoas que não fazem nada, ficam o dia inteiro criticando e falando mal de quem faz, de quem está na rua, de quem está trabalhando. Agora, além dos fofoqueiros de plantão, temos os maledicentes que em prol da saúde pública ficam esbravejando nas redes sociais todo seu ódio e histeria por quem sai na rua. Além de não contribuir com absolutamente nada, ajudam a criar o clima de desânimo, tristeza, frustração e impotência. Quanto custa nossa motivação? Quanto custa nossa força de vontade de levantar da cama e superar o medo, a incerteza e vestir-se de coragem para enfrentar o inimigo oculto?

Acho que o Brasil é o campeão em especialistas, juristas e agora proliferamos a categoria dos pessimistas. Os agoureiros. Os que adoram dizer que não vai dar certo. Que precisamos segurar. O que representa segurar? Que temos algo e não deixaremos passar? É represar, é não deixar fluir, é não permitir a roda girar de novo, é não acreditar.
Ninguém sabe o dia de amanhã. O que é importante hoje, amanhã talvez não tenha sentido. Temos que fazer algo agora, com o que temos. Trabalhar para o cenário de hoje e aprender a tomar decisões rápidas.

Nesta edição de maio, uma das minhas mais queridas, mostro projetos lindos de arquitetos que assim como eu, não desistem, procuram valorizar os melhores ângulos, aproveitar todos os detalhes e fazer a diferença em qualquer oportunidade de criação.

Também apresento construtoras que não desistem, continuam empregando, construindo e entregando seus empreendimentos, em diversas opções de moradia. A todos os empresários que acreditam, meu muito obrigada.

Conforme dados fornecidos pela arquiteta Luiza Pivetta, Superintendente de Análise e Aprovação de projetos da Prefeitura Municipal, no primeiro trimestre deste ano foram aprovados 118 novos projetos para a cidade, 152 licenças de construção e 129 cartas de habitação. Me parece animador, para um primeiro trimestre, que teve um carnaval tardio.

O que precisamos torcer é que estes projetos não parem, não segurem, pois envolve centenas de pessoas, engenheiros, arquitetos, projetistas, fiscais, avaliadores, pedreiros, azulejistas, encanadores, pintores, eletricistas, gesseiros, vendedores de material de construção, motoristas, descarregadores, conferencistas e demais outros profissionais da cadeia construtiva.

Finalizo agradecendo as entrevistas exclusivas com o prefeito municipal, presidente do Sinduscon-SM e Cia do Alumínio que falam de superação, dos desafios de nossa cidade e elencam as coisas boas que desenvolvemos por aqui. Com certeza muitas coisas poderiam ser feitas, mas insistimos em dar luz para aquilo que queremos florescer.

Assim que passarmos por este isolamento pretendo manter o meu distanciamento social dos chatos e pessimistas. Não quero que roubem a minha mania de ser otimista e ver o lado bom das coisas. Não quero que roubem minha fé em dias melhores. Não desperdiçarei minha incontrolável vontade de sonhar e começar novos projetos.

Viva Santa Maria. 162 anos. Nosso coração pulsa por aqui.

 

Silvana Maldaner
silvanamaldaner@terra.com.br
Formada em Comunicação Social,
Esp. em Comunicação Interna
Mestre em Engenharia de Produção

Deixar uma resposta