Educação

O despertar dos adolescentes para a responsabilidade

responsabilidade
319views

Na era da tecnologia e da conexão digital, o relacionamento entre pais e filhos adolescentes torna-se um desafio, pois um dos principais fatores que distanciam as famílias é a falta de interação e comunicação. Muitas vezes, a proximidade excessiva estabelecida entre o adolescente e o meio virtual, faz com que ele se distancie das suas responsabilidades e projeções futuras, impedindo-o de descobrir e desenvolver suas potencialidades.

Preocupado com os valores e práticas atemporais, o Geração Futura, que é um treinamento da Dale Carnegie Training, busca desenvolver as habilidades necessárias para que os adolescentes estejam preparados para assumir o comando de suas vidas e direcioná-las para o futuro. O processo trabalha habilidades de comunicação, autoconfiança, liderança e equilíbrio emocional com o acompanhamento dos principais pontos de apoio que são a família e a escola.

A metodologia Dale Carnegie mostra que ao invés de esperar pelo outro, a mudança precisa partir da própria pessoa, com atitudes simples como: se interessar verdadeiramente pelo outro; diminuir as críticas; estar aberto para ouvir; fazer com que o outro se sinta importante e passe a agir de forma diferente também. Para ilustrar, menciona-se o caso de Cintia Bonella, participante do curso. Cintia relatou que seu maior ganho foi na convivência familiar, pois o relacionamento dentro de casa melhorou muito. A mãe dela, Danielle Bonella, também declarou: “Não foi só a Cintia que mudou! O curso mudou toda a família, porque as práticas desenvolvidas por ela, no curso, também foram aplicadas em casa. Foi uma mudança natural”.

Dentre as diferentes habilidades citadas no início do texto, a autoconfiança é uma das mais importantes, pois ela pode ser abalada por inseguranças, dificuldades com a autoestima e de acreditar em si mesmo, muitas vezes por timidez ou medo do que os outros vão pensar. Nesta fase as crenças estão em construção, por isso é fundamental que a mentalidade do adolescente seja trabalhada a fim de que ele se fortaleça para enfrentar fatores externos e não se desestruture diante de tentativas de bullying, por exemplo. É importante que ele tenha convicção de quem é, de seus valores e de como pode se posicionar para enfrentar os desafios com uma atitude positiva.

Quando o adolescente descobre sua potencialidade, sua força interior e qualidades, desperta um processo de autoafirmação que o faz acreditar na sua capacidade de realizar desejos. Começa, então, a sonhar mais com o seu futuro e traçar objetivos concretos para sua vida. O processo de mudança inicia pelos pensamentos para gerar resultados duradouros. Prova disso é o participante do treinamento, Rafael Taschetto, o qual expressou o que mudou na sua vida ao se tornar mais autoconfiante: “Consegui ter esperanças em relação ao meu futuro, criar um plano para os próximos anos”.

A dificuldade em pedir ajuda e a terceirização de responsabilidades, muitas vezes, pode ser um sabotador, pois, talvez, seja mais fácil encontrar culpados a assumir o que precisa ser feito. Exemplo disso são as disciplinas e avaliações que, se não houver uma organização, acumulam tanto quanto a bagunça no quarto. Mas como ajudar os filhos a terem consciência de que eles precisam fazer a parte deles sem que isso se torne um sacrifício e uma cobrança diária?

O Geração Futura mostra que a resposta está em desenvolver a motivação e a disciplina. Qualquer hábito para ser incorporado leva tempo, mas também é necessário que o adolescente seja incentivado e que encontre razões para realizar o que é, principalmente, da responsabilidade dele. Caso contrário, o cumprimento de tarefas não será compreendido por ele como algo positivo que o ajudará a enfrentar os desafios do dia a dia, mas sim, como uma imposição. E isso poderá acompanhá-lo por muito tempo, comprometendo sua evolução.

Lançar desafios e estabelecer compromissos promove a autoliderança com atitude positiva para persistir, como relata a integrante do grupo Eduarda Vaz: “Percebo que antes eu era bem preguiçosa em fazer tarefas de casa ou quando meus pais me pediam um favor, eu sempre fazia sem entusiasmo. Mas com o treinamento eu entendi a importância de fazer as atividades com animação, fica tudo mais leve”.

A ansiedade, vitimização e rebeldia são algumas das principais emoções presentes na adolescência. O controle emocional auxilia na manutenção da tranquilidade sem ficar na inércia. O sujeito começa a entender que não se pode mudar o passado e, tampouco, prever o futuro, mas que é possível se concentrar para fazer o que realmente depende de si mesmo a cada dia. O depoimento do pai da Eduarda Vaz, Maurel Pedroso, demonstra que sua filha compreendeu isso, pois “ela está mais compreensiva, aceita as situações como de responsabilidade dela. Não é o mundo que está contra ela, é ela que vai fazer o mundo mudar”. Outro testemunho importante é o do pai do participante Luan. O Luiz Antônio Pozzer narrou que a mudança de comportamento de seu filho foi muito significativa, uma vez que “ele começou a demonstrar as responsabilidades, dentro de casa, no colégio e no dia a dia”.

Logo, sair da zona de conforto para buscar o autoconhecimento e aprimoramento é fundamental. Os adolescentes são o futuro! Como diz Dale Carnegie: “A melhor maneira de nos prepararmos para o futuro é concentrar toda a imaginação e entusiasmo na execução perfeita do hoje”.

Eliete Palma, Diretora e Rafaela Galvão, Trainer
Eliete Palma, Diretora e Rafaela Galvão, Trainer

Deixar uma resposta